É possível ser piloto e ter diabetes? - série, "diabetes e eu"

Hoje vamos conhecer o Pietro, piloto que mora nos Estados Unidos e conta sua história de superação com diabetes.

Pietro diz que ele era uma daquelas crianças que sonhavam em viajar desde o começo. Suas memórias anteriores incluem o desejo de se tornar um piloto comercial, e ele adorava fazer simuladores de vôo quando criança e adolescente. Assim que ele tinha idade suficiente, Pietro começou seu treinamento de vôo em Phoenix, uma cidade cujo clima agradável atrai uma tonelada de treinamento de vôo. Pietro trabalhou duro e se tornou um piloto licenciado, obtendo sua licença de piloto particular.


Aos 21 anos, Pietro foi diagnosticada inicialmente como diabetes tipo 2 com glicemia muito elevada e foi colocada em insulina.

"Foi um dia muito ruim para mim", disse Pietro, lembrando aquele momento em sua vida.

Mas ele tinha dias piores pela frente.

Ele fez dieta, retirou carboidrato processados e conseguiu retirar insulina. Após seis meses, ele obteve novamente sua certificação médica para pilotar.


Ao iniciar meus voôs minha maior preocupação seria como iria controlar minha glicemia. Para contorna esta situação precisei seguir a risca todas as orientações nutricionais e médicas, além de elaborar um controle glicêmico.


"Não sou perfeito", diz ele, "mas faço um bom trabalho". Sempre dizia isto quando me sentia para baixo, sabia que existia muito preconceito com o diabetes.

Ele usa dois conjuntos de indicadores glicêmicos:

  • A faixa de 80-100 mg / dL quando não está voando.

  • Uma faixa mais alta de 100-150 mg / dL quando em vôo. "Mas se estou voando, 80 é muito mais perto de 60 ... 60 é muito mais perto de 50 ... (ou seja) muito mais perto de 40, então não corro esses riscos."

Em sua mala de viagem, Pietro carrega tabletes de glicose e ele costuma comer lanches, castanhas de caju, palitos de queijo e barras de nozes mistas para manter seu organismo com alta fibra e alta proteína. O jovem piloto diz que nunca deixou a cair em voo, e seus melhores números foram realmente em voo porque ele é "muito focado e determinado" para mantê-la em níveis ideais.


Pietro diz que se orgulha de ter superado o maior obstáculo de todos os tempos. Agora ele sabe que tudo vai dar certo e ainda é jovem o suficiente para ter uma ótima carreira no setor aéreo.

"Que todas as pessoas que tenham diabetes possa realizar seus sonhos, as adaptações fazem parte do processo" Pietro, piloto de avião e diabetico.